Henrique Cisman: Sobre a pista de skate e a crítica à toa

Henrique Cisman

Há muitos anos os skatistas de Socorro solicitam uma pista de skate que atenda aos desejos dos praticantes. Em 2012, ano eleitoral, conseguiram um compromisso do então candidato – e agora prefeito – André Bozola de tornar realidade esse sonho. Desde então, quase três anos se passaram e a obra está prestes a começar. Dentro de um ano – portanto antes do término da atual gestão – a pista deve estar pronta e entregue, concomitante à conclusão de outras melhorias no Centro de Eventos.

Desde que o atual prefeito foi eleito, a cobrança só aumentou. Natural. Houve momentos em que a dúvida pairou na cabeça dos skatistas: “Será que essa pista sai do papel?” Aliás, até para fazer o projeto houve discussões, retificações, acertos, até que ficasse agradável. Finalmente, o trâmite burocrático chegou ao fim e agora “mãos à obra”. Porém, mesmo com a vitória tão próxima, a desconfiança parece permanecer. É saudável que a população cobre e fiscalize. O que me incomoda é a crítica pela crítica.

Está na moda desabafar em redes sociais. Se a argumentação é boa, rende centenas de curtidas na publicação, compartilhamentos, grande alcance. Jovens estão inclinados a esse tipo de glória. Eu também gosto de ser visto. Até aí, tudo bem. Só que essa modinha, somada à modinha de ser revoltado e sempre contestador, típica da juventude, é deveras chata e sem sentido.

Quatro anos de espera é um tempo aceitável para se alcançar um sonho de tantos outros anos anteriores. Três anos após a promessa, a construção da nova pista está prestes a começar. O desejo está próximo de se concretizar. E a cobrança tão justificável de todo esse período agora se torna repetitiva e desagradável. Criticar políticos também está na moda (com boa dose de razão), mas quem critica sempre corre o risco de deixar de ser levado a sério um dia.

Eu que não ligo pra skate acho muito bom que a pista seja construída. Acho ótimo o incentivo ao esporte. Acho justa a cobrança pelo cumprimento da promessa. Mas agora é hora de calar e aguardar o término da obra. Se o prazo estabelecido não for cumprido ou se a pista não obedecer ao projeto, ou se alguma outra coisa fora do combinado acontecer, aí sim, que a cobrança seja feita novamente. Por enquanto, é prudente esperar e fazer a comunicação interna entre os skatistas, avisar a todos como está o andamento desse sonho.

Finalmente, haverá pista de skate. Estão de parabéns os skatistas, sobretudo aqueles que desde o início acreditaram que era possível e se engajaram no objetivo, se reunindo, participando, cobrando do Poder Público. Resta pouco mais de um ano para a caminhada chegar ao fim. Tão perto da vitória, é tempo de refletir, comemorar, continuar fiscalizando e dar um fim às criticas à toa.

Henrique Cisman é estudante de jornalismo e assessor de imprensa da Prefeitura Municipal de Socorro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *