Informação: “Acolhimento Familiar” é implantado em Socorro

Para que se possa alcançar melhor entendimento junto à população sobre o Acolhimento Familiar, é necessário que se diga que é um programa criado pelo Plano Nacional de Convivência Familiar e Comunitária, que também pode ser definido como Guarda Subsidiada, pela qual as famílias recebem crianças e adolescentes afastadas da família de origem.

No caso as Famílias Acolhedoras NÃO SE COMPROMETEM A ASSUMIR A CRIANÇA COMO FILHO. São, na verdade, parceiras do sistema de atendimento e auxiliam na preparação para o retorno à família biológica ou para adoção. O período de acolhimento é de seis meses, durante os quais a família recebe uma ajuda de custo de UM SALÁRIO MINIMO por mês.

As crianças e adolescentes serão encaminhadas ao programa, para um atendimento profissional (assistente social e psicóloga), da Secretaria de Cidadania/Departamento de Assistência Social, através do Poder Judiciário. Ministério Público, Delegacias de Polícia e Delegacias de Proteção à Criança e ao Adolescente, cabendo ao Conselho Tutelar comunicar a situação da criança/adolescente ao Ministério Público, para posterior atendimento do programa.

De acordo com Airton Domingues de Souza, Secretário Municipal de Cidadania, as profissionais da área de Assistência Social estão aptas, já que foram capacitadas para esse contexto, mantendo ao longo do período de seis meses, contato constante com as famílias acolhedoras. Elas já estão à disposição para mais esclarecimentos, à Rua Barão de Ibitinga, 593 (CREAS) ou através do telefone (19) 3895-5503.

Compartilhe: