Reformar a política

Por Helnes Resquioto

Nesta semana, o Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que não deve pautar proposta de alteração na legislação eleitoral em 2019. De fato, o argumento do Presidente de que a principal pauta do Congresso neste ano é a economia faz sentido, tendo em vista que já chegamos à metade do ano e a reforma da previdência ainda não foi aprovada.

Contudo, discutirmos a reforma política é essencial para um país que precisa de muitas reformas. O primeiro aspecto a ser enfrentando é, sem dúvidas, o excessivo número de partidos políticos. Em sua essência, um partido deve representar junto à sociedade um conjunto de ideias de determinado grupo organizado. Mas não me parece razoável que o Brasil tenha mais de 35 conjuntos de ideias distintas. Na grande verdade, muitos partidos se tornaram estruturas com o objetivo de representar interesses muito específicos em busca de privilégios, sem qualquer conexão com a comunidade.

Outro aspecto que ainda confunde bastante o eleitor é o sistema proporcional, que garante a eleição daqueles que obtiveram infinitamente menos votos que outros. Neste sentido, debate-se o voto distrital misto ou mesmo o distritão, em que os mais votados são eleitos.

Mas a questão central de uma reforma política, na prática, deve ser o fim dos privilégios para políticos e a adoção de um sistema capaz de reconectar o cidadão à política, que deve ser única e exclusivamente voltada para a discussão de problemas e soluções da população. Com as possibilidades advindas das redes sociais, por exemplo, não podemos admitir milhões e milhões de reais do dinheiro público sendo utilizado para custear campanhas milionárias. Esse modelo, definitivamente, não atende mais ninguém. Dar o exemplo é urgente!

 

Helnes Resquioto é advogado e contabilista – Pós-graduando Direito Público. Foi vereador de Lindóia (2006-2008 e 2009-2012) e atualmente é Secretário de Administração e Planejamento da Prefeitura de Socorro (SP). Quinzenalmente apresenta pontos de vista a respeito do cotidiano, da administração pública e da política no jornal Tribuna das Águas e neste portal.

Compartilhe: