Socorrenses recordam heróis da Revolução de 1932 em ato cívico na Praça 9 de Julho

Histórias, lembranças e emoção. Esses foram sentimentos que em meio ao orgulho paulista marcaram a manhã desta terça-feira, 9, durante o Ato Cívico que comemorou a Revolução Constitucionalista de 1932 em Socorro. Data magna do Estado de São Paulo, o movimento representou conquistas importantes na história da democracia brasileira.

Participaram da cerimônia o Prefeito de Socorro, André Bozola, o vice-prefeito, Edelson Cabral Tevês, o presidente da Câmara Municipal de Socorro, Vereador João Pinhoni Neto, o 1º Secretário da Câmara Municipal, vereador Tomás D’Àquino Frattini, o Subtenente Comandante da Polícia Militar de Socorro, Ivonildo Soares, o Diretor-presidente do 22º Grupo de Escoteiros Cavaleiros da Paz, Evaldo Artioli, Secretários Municipais e demais autoridades.

Neste ano, a Secretaria Municipal de Cultura, liderada pelo Secretário Tiago Faria, prestou homenagens a 4 famílias socorrenses pela participação na Revolução Constitucionalista de 1932: Tatiana Picarelli Marcolino, representando Maria de Lourdes Pinto Picarelli (in memorian) – voluntária na Casa do Soldado; Edson, Francis e Jeancarlo, familiares de Irma Rovesta Mantovani (in memorian) – voluntária na Casa do Soldado; Vilma de Oliveira Santos Simões e Alcindinho, filhos de Alcindo de Oliveira Santos (in memorian) – combatente; e Maria Silvia Baladi, familiar de combatentes.

Durante os pronunciamentos, Maria Silvia Baladi relembrou memórias dos socorrenses que atuaram no movimento e fez menção aos apontamentos realizados pela historiadora socorrense Elza Martha Fontana, enquanto a Professora Vilma de Oliveira Santos Simões convidou todos a disseminarem a história de 1932, tendo em vista que muitos ainda desconhecem o movimento.

O Prefeito André Bozola, em discurso acalorado, defendeu o legado paulista na história democrática brasileira e ressaltou a importância da preservação da história da Revolução Constitucionalista de 1932. “Temos orgulho em sermos paulistas, e devemos nos preocupar em manter essa história sempre presente em nossas gerações”, destacou.

A Corporação Musical Santa Cecília apresentou na sequência as canções “do Expedicionário” e “do Soldado”, enquanto os presentes, liderados pelo grupo de Escoteiros, prestaram homenagens no monumento dos revolucionários da Praça 9 de Julho.

A Revolução Constitucionalista de 1932

Foi um movimento armado decorrente da Revolução de 1930 (quando Getúlio Vargas assume o Governo Provisório, impedindo a posse do ex-governador de São Paulo, Júlio Prestes, à presidência da República) que se estendeu de 09 de julho a 04 de outubro de 1932, no estado de São Paulo, com o objetivo de derrubar o Governo Provisório de Getúlio Vargas e promulgar uma nova constituição para o Brasil.

Oficialmente, 934 pessoas foram mortas, embora estimativas apontem 2.200 óbitos na Revolução. O exército paulista foi derrotado, mas São Paulo voltou a ser governado por paulistas e dois anos depois uma nova constituição foi promulgada, em 1934.

Compartilhe: