Parabéns, empreendedor!

No dia 5 de outubro, comemora-se o Dia do Empreendedor, mesma data da criação do Estatuto da Micro e Pequena Empresa. Para comemorar, o Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) inspirou um movimento denominado “Compre do Pequeno”, buscando incentivar à população a valorizar esses empreendimentos que dão sustentação à economia brasileira. Muitas vezes, nosso ‘complexo de vira-lata’, faz que menosprezemos tudo aquilo que carrega o termo micro ou pequeno, no entanto, este segmento no Brasil é grandioso. Segundo o Instituto Endeavor , pequenos e micros empreendimento somam, juntos, 97% do total no Brasil. São mais de 10 milhões de negócios que vão desde vendedores de varejo à startups inovadoras.

Mas, aproveitando o mês comemorativo, que tal pensarmos um pouco no “empreender”? Trabalhando a partir da palavra “empreendedor”, temos uma subdivisão que resulta em “empreender” + “dor”. Há inúmeras definições de empreendedorismo feita, principalmente, por economistas dos séculos XVIII e XIX, mas gosto bastante das concepções mais generalistas de empreendedorismo de Fernando Dolabela – um estudioso que defende a educação empreendedora – e de Bel Pesce – a brasileira que se formou no MIT (Massachusetts Institute of Technology), pois eles apontam esta atividade como “ter um sonho e buscar realizá-lo” e “dar o melhor de si, naquilo que você faz”, respectivamente. Para cumprir tais requisitos, você não precisa abrir um negócio, mas para abrir um negócio e ser bem sucedido, você precisa ter em mente tais requisitos e aí, partirmos para a segunda parte da palavra: “dor”. Sim, empreender é um processo dolorido, pois exige mudanças.

Peter Drucker, um guru da administração, disse que “se você quer fazer algo novo, você tem que parar de fazer o velho”. Buscar o seu sonho, buscar o melhor de si, é fazer algo diferente obrigatoriamente, e isso exige foco, disciplina e muito, muito trabalho. Se você quiser melhorar ainda mais essa definição, considere que essas ações podem e geram enormes impactos sociais e econômicos e aí, temos este cenário das micro e pequenas empresas no Brasil.

Mesmo com tantas adversidades em relação à tributação e burocracias, o empreendedor sobrevive diariamente e faz o motor do Brasil girar e é por isso que, neste mês, acenda as velinhas, e comemore, caro empreendedor. Mas, sem exageros, porque a crise bate à porta, diversas oportunidades estão por aí e o seu tempo é precioso.

Para saber mais sobre a campanha do Sebrae, acesse: www.compredopequeno.com.br.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *